Quimioterapia para Câncer de Pele Melanoma

Quimioterapia é o uso de drogas para matar as células cancerosas. A quimioterapia sistêmica é administrada por via venosa, tendo como alvo as células cancerosas do corpo. No caso de melanoma, a quimioterapia é geralmente usada para o controle da doença avançada.

A quimioterapia pode ser utilizada para tratar o melanoma avançado, mas não é frequentemente administrada como o primeiro tratamento desde que as novas formas de imunoterapia e terapia alvo estão disponíveis. A químio geralmente não é tão eficaz para o melanoma como para alguns outros tipos de câncer, mas pode aliviar os sintomas ou aumentar a sobrevida de alguns pacientes.

Vários medicamentos  quimioterápicos podem ser utilizados no tratamento do câncer de pele melanoma:

  • Dacarbazina.
  • Temozolomida.
  • Nab-paclitaxel.
  • Paclitaxel.
  • Cisplatina.
  • Carboplatina.
  • Vinblastina.

Alguns destes medicamentos são administrados isoladamente, enquanto outros são frequentemente combinados com outros fármacos. Não está claro se o uso de combinações de determinados medicamentos é mais útil do que usar um único medicamento, mas pode aumentar os efeitos colaterais.

Alguns estudos sugerem que a combinação de medicamentos quimioterápicos com outros usados em imunoterapia, como o interferon-alfa ou interleucina-2, possa ser mais eficaz do que apenas o uso de uma única droga de quimioterapia, embora não seja claro se isso aumenta a sobrevida. Este tipo de tratamento também é chamado bioquimioterapia ou quimioimunoterapia.

A quimioterapia é administrada em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso, para permitir que o corpo possa se recuperar. Cada ciclo de quimioterapia dura em geral algumas semanas.

Perfusão Isolada de Membro. É um tipo de quimioterapia utilizada, ocasionalmente, para tratar melanomas avançados confinados a um braço ou a uma perna. Ela é realizada durante um procedimento cirúrgico. O fluxo de sangue do braço ou perna é isolado e uma dose elevada de quimioterapia é injetada diretamente no membro afetado num curto período de tempo. Este procedimento implica na colocação de um cateter na artéria que envia sangue para o membro, e um segundo cateter é colocado na veia que drena sangue a partir dele. Um torniquete é acionado em torno do membro para garantir que a quimioterapia não irá para o resto do corpo.

Possíveis Efeitos Colaterais

As drogas quimioterápicas atacam as células que se dividem rapidamente, por isso são utilizadas no tratamento do câncer. Entretanto, outras células do corpo, como as da medula óssea, revestimento da boca e dos intestinos, e os folículos pilosos, também se dividem rapidamente, por isso são também susceptíveis de ser afetadas pela quimioterapia, levando a alguns efeitos colaterais.

Os efeitos colaterais da quimioterapia dependem do paciente, dos medicamentos utilizados, da dose administrada e do tempo de tratamento, e incluem:

  • Perda de cabelo.
  • Inflamação na boca.
  • Perda de apetite.
  • Náuseas.
  • Vômitos.
  • Diarreia ou constipação.
  • Aumento do risco de infecção.
  • Hemorragias e hematomas.
  • Fadiga.
  • Neuropatia.

A maioria destes efeitos colaterais é de curto prazo e geralmente tendem a desaparecer ao término do tratamento. No entanto, mantenha o médico informado sobre qualquer sintoma, pois a maioria desses efeitos pode ser manejada de forma eficaz.

Fonte: American Cancer Society (27/04/2015)