Outono 

O verão pode ter acabado, mas a proteção solar não deve terminar quando as folhas das árvores começarem a cair.

Mais de 90% dos cânceres de pele estão associados à exposição ao sol, já que emite radiação ultravioleta (UV). Por isso os cuidados com a pele devem ser tomados em qualquer situação, seja numa exposição direta ao sol, numa tarde descontraída ao ar livre, ao cuidar do jardim, numa partida de futebol com os amigos ou mesmo parado num ponto de ônibus.

Não são apenas as queimaduras solares que geralmente ocorrem durante o verão ou durante as férias que estão associadas com o câncer de pele. A exposição solar intensa e intermitente é um padrão de exposição UV concentrada periódica danifica gravemente a pele. Muitas vezes causa queimaduras solares, e pode levar ao melanoma, a forma mais grave de câncer de pele.

Uma queimadura solar que tenha provocado bolhas na infância ou adolescência (ou um total de cinco queimaduras de sol a qualquer idade) mais do que duplica as chances de uma pessoa desenvolver melanoma mais tarde na vida.

A exposição solar intensa e intermitente também desempenha um papel no carcinoma basocelular a forma mais comum de câncer de pele.

A exposição incidental ao sol que quase ninguém conhece ou se preocupa, acumula-se ao longo dos anos por atividades ao ar livre relativamente breves, por exemplo, ao passear com o cachorro ou caminhar no estacionamento do shopping para pegar o carro. A exposição incidental ao sol é cumulativa e está associada ao aparecimento do carcinoma de células escamosas e também contribui para o carcinoma basocelular.

Ainda que a intensidade solar presente não seja como no verão, o outono também deve ser encarado como uma estação em que os cuidados com a pele devem ser tomados.

A seguir veja algumas dicas de como se proteger da radiação ultravioleta quando estiver ao ar livre:

  • Procure uma sombra. Uma forma de limitar a exposição à radiação ultravioleta é evitar ficar exposto por muito tempo diretamente à luz solar, especialmente entre às 10 h e 16 h, quando à radiação UV é mais intensa.
  • Use roupas adequadas. As roupas fornecem diferentes níveis de proteção à radiação UV, por exemplo, camisas de mangas compridas, calças compridas ou saias longas oferecem mais proteção, as cores escuras também protegem mais do que as cores claras. Tecidos firmes protegem melhor do que o vestuário entrelaçado assim como o tecido seco é geralmente mais protetor que o molhado. Entretanto é importante estar ciente que apenas se cobrir não bloqueia toda a radiação ultravioleta, se a luz passa através de um tecido, a radiação UV também passará.
  • Proteja a cabeça, use chapéu. Chapéu com aba é o ideal, porque protege áreas muitas vezes expostas ao sol intenso, como orelhas, olhos, nariz, couro cabeludo e testa. O boné protege o rosto e a cabeça, mas não o pescoço ou as orelhas, onde, normalmente, os cânceres de pele começam a se desenvolver. Os chapéus de palha não são tão protetores quanto os confeccionados com tecido mais grosso.
  • Proteja a pele, use protetor solar. Use protetores solares e labiais especialmente entre às 10 h e 16 h e de preferência com fatores de proteção solar (FPS) de 30 ou mais. O uso do protetor solar é recomendado, inclusive em dias nublados ou encobertos, pois a radiação UV ainda está presente. Entretanto, para garantir a proteção contínua, os protetores solares devem ser reaplicados, de acordo com as instruções da embalagem.
  • Proteja os olhos, use óculos de sol. Óculos com capacidade de bloquear 99% da radiação UV, oferecem a melhor proteção para os olhos e as pálpebras.
  • Proteja as crianças. Atenção especial às crianças, pois elas tendem a passar mais tempo ao ar livre e podem se queimar mais facilmente. Os pais devem proteger as crianças da exposição ao sol em excesso, siga, portanto, as recomendações mencionadas acima. As crianças mais velhas precisam ser alertadas sobre a exposição ao sol uma vez que se tornam mais independentes.