Notícias

Cuiabá tem índices de UV extremos que podem causar câncer, manchas e queimaduras, diz dermatologista

By setembro 21, 2017 No Comments

Os índices de radiação ultravioleta em Cuiabá chegaram ao nível considerado ‘extremo’ nesta quarta-feira (20), e voltam a atingir este número no próximo sábado (23). Quinta e sexta-feira, o número cai, mas continua ‘muito alto’, de acordo com as recomendações da Organização Mundial da Saúde.

De acordo com a dermatologista Elaine Togoe Kunze, são necessários diversos cuidados quando os índices atingem números tão altos: “Realizar uso de protetor solar com fator de proteção ( FPS) acima de 30, reaplicar em áreas expostas ao sol a cada 3 horas. As roupas com fator de proteção são ótimas escolhas. Lembrar de chapéus, sombrinhas, óculos de sol para complementar. Evitar a exposição solar exagerada entre 10:00 e  15:00”, recomenda.

Segundo a dermatologista, existem três tipos de raios ultravioletas. São eles:

UV-C – A radiação mais prejudicial à pele, equivale de 200 à 290NM (nanômetros), mas não atinge a camada terrestre por ser absorvido pela camada de ozônio.

UV-B – equivale de 290 a 320 NM. Penetra nas camadas superficiais da pele, apresentando intensas reações. Causa queimaduras solares, insolação grave e predisposição ao câncer de pele. O horário em que a UV-B é mais intensa é entre às 10:00 e 15:00.

UV-A – equivale de 320-400nm. Penetra as camadas profundas da pele. Durante todo ano, sentimos os seus efeitos. Ele é o responsável pelo bronzeamento, pelas manchas, envelhecimento precoce, foto alergia, rugas, flacidez e o câncer de pele.

Como são os raios UV-A e UV-B que atingem a terra e a pele humana, o índice ultravioleta é medido por eles, pelos metereologistas. “O Índice Ultravioleta (IUV) é uma medida da intensidade da radiação UV, relevante aos efeitos sobre a pele humana, incidente sobre a superfície da Terra. O IUV representa o valor máximo diário da radiação ultravioleta. Isto é, no período referente ao meio-dia solar, o horário de máxima intensidade de radiação solar”, explica o site do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os índices de IUV são agrupados em categorias de intensidade. Veja:

Em Cuiabá, nestes últimos dias de calor, os índices têm variado entre 10 (muito alto) e 11 (extremo). Segundo a dermatologista, isso “pode causar desde manchas, envelhecimento, queimaduras até câncer de pele benignos e malignos”.

Elaine explica que a prevenção deve ser feita diariamente, mas que há, também, indícios que devem deixar a população alerta: Lesões crostosas na pele que não apresentam melhora, “pintas” que apresentam alteração de cor, crescimento ou sangramento, vermelhidão intensa de área em exposição. Se isso acontecer, é necessário se cuidar.

“A prevenção pode ser feita com a proteção adequada, agora ao surgir lesões pré cancerígenas temos tratamentos para bloquear a evolução da lesão, por isso a importância da consulta dermatológica de rotina”.

Protetor solar

Segundo Elaine, é importante prestar atenção no fator de cada protetor solar. “Se o FPS do protetor é 50, por exemplo, se você fica vermelho em cinco minutos sem usá-lo, usando você vai ficar vermelho só 50 vezes depois desses cinco minutos”, explica. A dermatologista ainda afirma que, atualmente, são vendidos protetores com proteção contra os raios UVB. Nestes casos, eles vêm também com o índice de PPD, e protegem contra os dois tipos de raio.

Fonte: Olhar Direto

Deixe seu comentário