Melanoma

Como é feito o diagnóstico do melanoma?

By novembro 20, 2018 No Comments

O melanoma tem baixa incidência, correspondendo a 3% do total de casos de câncer de pele, no entanto é o tipo mais agressivo e com grandes chances de metástase, isto é, avanço da doença para outras partes do corpo. Porém, quase sempre é curável quando diagnosticado precocemente. Mas você sabe como é feito este diagnóstico?

Na maioria dos casos, o melanoma é diagnosticado pelo dermatologista durante exame clínico. Entre os aspectos que são avaliados pelo médico especialista estão forma, cor e textura de lesões na pele, além da ocorrência de sangramento e descamação. A comprovação do diagnóstico é feita por meio de uma biópsia.

É sempre importante lembrar que o autoexame é o primeiro passo para um diagnóstico precoce. Conheça seu corpo sempre analisando com atenção pintas, manchas e sardas buscando reconhecer novas marquinhas ao longo do corpo e alterações naquelas já existentes. Caso você note algo diferente, procure um dermatologista!

Quais exames terei que fazer?

Além da biópsia, o médico pode solicitar um exame de sangue para checar o nível de lactato desidrogenase (LDH) antes de iniciar o tratamento do melanoma. Exames de imagem como raio X, tomografia e ressonância magnética também podem ser indicados para verificar possíveis metástases da doença em outras partes do corpo.

Outros exames importantes!

Quando o diagnóstico de melanoma se confirmar, é muito importante conhecer mais profundamente qual o tipo e subtipo da doença para garantir que o tratamento certo seja indicado para cada caso. Esse reconhecimento é feito por meio de um teste molecular no tumor que é realizado no tecido da biópsia. Este exame ajuda a identificar as características particulares de cada câncer apontando possíveis mutações no DNA do tumor, nível de proteínas, genes e outros fatores únicos.   

Acompanhe nosso blog Cuide Bem da Sua Pele e aproveite para dividir esse conteúdo e compartilhar esse conhecimento com mais pessoas!!

Fontes: Instituto Oncoguia e American Cancer Society

Deixe seu comentário