Aprendendo com Você

Os pacientes buscam trocar informações, conhecer outras histórias e também, dividir esperanças e vitórias

Lizandra Fernandes

Câncer de pele Melanoma

Essa entrevista foi preenchida em 24/04/2013

  • Instituto Oncoguia – Você poderia se apresentar?

Liz Fernandes – Sou Lizandra Fernandes, tenho 26 anos, estudante de curso técnico atualmente trancado e funcionária de uma multinacional na área do curso, design gráfico, da qual encontro-me afastada também em decorrência de um câncer, Melanoma.

  • Instituto Oncoguia – Como foi que você descobriu que estava com câncer?

Liz Fernandes – A confirmação veio de forma acidental, digamos assim. Já internada após um
grande mal estar, uma médica foi realizar uma avaliação e ela havia acabado de ver uma tomografia que havia feito horas antes e se antecipou me dando a notícia.

Instituto Oncoguia – Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu?

Liz Fernandes – Honestamente? Eu já esperava. Antes da confirmação havia realizado uma punção e no resultado li o diagnóstico, que foi parcialmente errado. Mas, antes mesmo desse laudo, havia uns dias que eu tive uma certeza “interna” de que o meu mal estar era em decorrência de um câncer. Quando li o tal laudo e até mesmo no momento da confirmação no hospital, em ambas as situações estive extremamente tranquila. Como disse, não foi nenhuma surpresa, mas aceitei com muita tranquilidade pois me revoltar não mudaria nada. Era aquilo e pronto.

Instituto Oncoguia – Qual era a sua maior preocupação neste momento?

Liz Fernandes – Meus pais, sempre. Como iriam reagir durante o processo e caso eu partisse assim tão bruscamente e inesperadamente? Como eles iriam tocar suas vidas?

“Oriento não sofrer por antecipação, entender que entrar em desespero e se revoltar pela situação não irá resolver nenhum problema que possa surgir. “

  • Instituto Oncoguia – O que aconteceu depois disso?Liz Fernandes – Muitas situações inesperadas. Tive uma piora no quadro, brusca e grave, descobrimos que o câncer não era tão “simples” e já estava de uma maneira incontrolável. Fui em dias para a UTI, sem prognóstico com infecção generalizada, choque séptico e o convênio não liberava tratamentos, medicação… Foi uma luta de todos os lados.Instituto Oncoguia – Você já começou o tratamento?Liz Fernandes – Sim, em torno de 30 dias após meu diagnóstico fechado, final de maio/12 e já terminei as quimioterapias, foram 8 ciclos. Fiz o último ciclo em Janeiro/13.

    Instituto Oncoguia – Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê?

    Liz Fernandes – Sem dúvida alguma o mais difícil no meu caso foram as quimioterapias. Em quase 100% dos casos os efeitos colaterais são os mesmos, no meu caso não foi diferente, muito enjoo, vômito, fraqueza, dores musculares diversas, cefaleia e etc. Isso é muito difícil de manter um equilíbrio, são efeitos muito intensos. O pior de todos é o olfato aguçado e os enjoos.

    Instituto Oncoguia – Como foi a relação com o seu médico?

    Liz Fernandes – Tenho uma equipe na verdade, um médico responsável e vários que me acompanham, sempre foi uma relação muito honesta de ambos os lados e bem pessoal.

    Instituto Oncoguia – Com que outro profissional você se relacionou?

    Liz Fernandes – Tive contato com uma psicóloga com a qual não me identifiquei e, por isso, não dei continuidade. Faço acompanhamento com uma nutricionista e tenho acompanhamento com ginecologista esporadicamente devido a queda da imunidade e várias internações. O risco de absorver alguma bactéria é significativo e também devido aos ciclos menstruais ficarem desregulados. Eventualmente tenho contato com cirurgiões para retirar nódulos quando é necessário e para realizar a instalação do port a cath. Meu oncologista não realiza cirurgias.

    Instituto Oncoguia – Você está em tratamento ou já finalizou?

    Liz Fernandes – Finalizei os ciclos de QT que foram programados. Estou prestes a iniciar um novo tratamento não quimioterápico com uma droga nova específica para meu caso, serei a primeira na minha cidade a receber.

    Instituto Oncoguia – Como está a sua vida hoje?

    Liz Fernandes – No que diz respeito a rotinas estou totalmente parada, sem trabalhar e estudar. Mas focada no tratamento e nas relações que a doença me apresentou, visito quando posso hospitais e sempre que posso me reabilito fisicamente, entre uma QT e outra entre uma cirurgia e outra.

    Instituto Oncoguia – Conte-nos sobre seu trabalho e planos para o futuro.

    Liz Fernandes – Como disse, estou afastada de minhas atividades laborais, mas me ocupo respondendo aos amigos que me acompanham pelas redes sociais. Estive estudando para a criação de um livro e estou iniciando este projeto; pretendo, no futuro, me engajar na ajuda de pessoas que passam por este processo dando apoio psicológico, mostrando meu caso e também a pessoas comuns com o meu testemunho.

    Instituto Oncoguia – Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje?

    Liz Fernandes – Oriento não sofrer por antecipação, entender que entrar em desespero e se revoltar pela situação não irá resolver nenhum problema que possa surgir. Principalmente não sofrer por antecipação, pois como eu disse, POSSA surgir.

    Instituto Oncoguia – Qual a importância da informação durante o tratamento de um câncer?.

    Liz Fernandes – Se forem informações bem dadas, de forma correta e de fontes seguras, elas são imprescindíveis, nem todo mundo compreende tão bem e aceita tão bem possíveis situações sobre uma vida com câncer. É preciso cautela.

    Instituto Oncoguia – Você buscou se informar? De que maneira?

    Liz Fernandes – Sempre busquei me informar. Sou muito curiosa, gosto de saber aonde estou “pisando” para saber como agir e me preparar, quando é possível e também para desmistificar muita opinião errada sobre muitas situações, nem tudo é um “monstro” como muitos leigos afirmam.

    Instituto Oncoguia – Como você conheceu o Oncoguia?

    Liz Fernandes – Conheci através da internet, por meio de pesquisas. Estava pesquisando sobre minha doença e algum assunto na página do Oncoguia me interessou, comecei a me interessar mais pelo Oncoguia e encontrei sua página no Facebook.